Search This Blog

Wednesday, October 19, 2005

Fica aqui este importante texto histórico (longo, mas compensatório, leiam...) sobre a verdadeira história do domínio islâmico na Península Ibérica, com os seus massacres e leis discriminatórias. Espero que algum camarada especialmente anglófono, ou que pelo menos entenda Inglês, se chegue à frente para traduzir o texto (senão, vou ter de o fazer eu, quando arranjar tempo, que remédio).

Eis então o artigo:

On Sunday, April 18, 2004, this revealing exchange took place between outgoing Spanish Prime Minister Jose Maria Aznar, and interviewer Chris Wallace of FoxNews:
Chris Wallace: “In the apartment that was blown up, police found a videotape in which the bombers referred to Spain as Andalusia, what it was called by the Muslim Moors before they were driven out in 1492.”

Jose Maria Aznar (through the translator): “So this means that Iraq, for them, was just a pretext. In the eyes of Islamic terrorism, it looks at the West, and Spain is a very special part of this parcel, because they feel that to recover Spain is to get back some of their territory.”

Islamic scholar Mordechai Nisan recently discussed the contention by the founder of the Institute of Islamic Education, M. Amir Ali, that Medieval Spain had actually been "liberated" by Muslim forces, who "deposed its tyrants". Nisan extrapolated this ahistorical narrative line, and pondered:

"Reflecting on March 11, as Muslim terrorism killed 200 and wounded 1,400 in Madrid, one wonders whether one day this event will also not be commemorated as a liberating moment. "

Events surrounding the completion of the new Granada Mosque, which was marked by celebratory announcements July 10, 2003 of a “…return of Islam to Spain”, were also consistent with Nisan's dark musings. At a conference entitled “Islam in Europe” that accompanied the opening of the mosque, disconcerting statements were made by European Muslim leaders. Specifically, the keynote speaker at this conference, Umar Ibrahim Vadillo, a Spanish Muslim leader, encouraged Muslims to cause an economic collapse of Western economies (by ceasing to use Western currencies, and switching to gold dinars), while the German Muslim leader Abu Bakr Rieger told Muslim attendees to avoid adapting their Islamic religious practices to accommodate European (i.e., Western Enlightenment?) values.

Shortly after this event, a Wall Street Journal editorialist in a grossly distorted encomium to Muslim Spain, mentioned the “pan-confessional humanism” of Andalusian Islam, and even asserted: "one could argue that the oft-bewailed missing ‘reformation’ of Islam was under way there until it was aborted by the Inquisition."

María Rosa Menocal, Yale Professor of Spanish and Portuguese, in her 2002 hagiography of Muslim Spain, The Ornament of the World, has further maintained that "the new Islamic polity not only allowed Jews and Christians to survive, but following Qur’anic mandate, by and large protected them."

We believe that reiterating these ahistorical, roseate claims about Muslim Spain abets the contemporary Islamist agenda, and retards the evolution of a liberal, reformed “Euro-Islam” fully compatible with post-Enlightenment Western values.

Iberia (Spain) was conquered in 710-716 AD by Arab tribes originating from northern, central and southern Arabia. Massive Berber and Arab immigration, and the colonization of the Iberian peninsula, followed the conquest. Most churches were converted into mosques. Although the conquest had been planned and conducted jointly with a strong faction of royal Iberian Christian dissidents, including a bishop, it proceeded as a classical jihad with massive pillages, enslavement, deportations and killings.

Toledo, which had first submitted to the Arabs in 711 or 712, revolted in 713. The town was punished by pillage and all the notables had their throats cut. In 730, the Cerdagne (in Septimania, near Barcelona) was ravaged and a bishop burned alive. In the regions under stable Islamic control, Jews and Christians were tolerated as dhimmis - like elsewhere in other Islamic lands - and could not build new churches or synagogues nor restore the old ones. Segregated in special quarters, they had to wear discriminatory clothing. Subjected to heavy taxes, the Christian peasantry formed a servile class attached to the Arab domains; many abandoned their land and fled to the towns. Harsh reprisals with mutilations and crucifixions* would sanction the Mozarab (Christian dhimmis) calls for help from the Christian kings. Moreover, if one dhimmi harmed a Muslim, the whole community would lose its status of protection, leaving it open to pillage, enslavement and arbitrary killing.

By the end of the eighth century, the rulers of North Africa and of Andalusia had introduced Malikism, one of the most rigorous schools of Islamic jurisprudence, and subsequently repressed the other Muslim schools of law. Three quarters of a century ago, at a time when political correctness was not dominating historical publication and discourse, Evariste Lévi-Provençal, the pre-eminent scholar of Andalusia, wrote: "The Muslim Andalusian state thus appears from its earliest origins as the defender and champion of a jealous orthodoxy, more and more ossified in a blind respect for a rigid doctrine, suspecting and condemning in advance the least effort of rational speculation."

The humiliating status imposed on the dhimmis and the confiscation of their land provoked many revolts, punished by massacres, as in Toledo (761, 784-86, 797). After another Toledan revolt in 806, seven hundred inhabitants were executed. Insurrections erupted in Saragossa from 781 to 881, Cordova (805), Merida (805-813, 828 and the following year, and later in 868), and yet again in Toledo (811-819); the insurgents were crucified, as prescribed in Qur’an 5:33*.

The revolt in Cordova of 818 was crushed by three days of massacres and pillage, with 300 notables crucified and 20 000 families expelled. Feuding was endemic in the Andalusian cities between the different sectors of the population: Arab and Berber colonizers, Iberian Muslim converts (Muwalladun) and Christian dhimmis (Mozarabs). There were rarely periods of peace in the Amirate of Cordova (756-912), nor later.

Al-Andalus represented the land of jihad par excellence. Every year, sometimes twice a year, raiding expeditions were sent to ravage the Christian Spanish kingdoms to the north, the Basque regions, or France and the Rhone valley, bringing back booty and slaves. Andalusian corsairs attacked and invaded along the Sicilian and Italian coasts, even as far as the Aegean Islands, looting and burning as they went. Thousands of people were deported to slavery in Andalusia, where the caliph kept a militia of tens of thousand of Christian slaves brought from all parts of Christian Europe (the Saqaliba), and a harem filled with captured Christian women. Society was sharply divided along ethnic and religious lines, with the Arab tribes at the top of the hierarchy, followed by the Berbers who were never recognized as equals, despite their Islamization; lower in the scale came the mullawadun converts and, at the very bottom, the dhimmi Christians and Jews.

The Andalusian Maliki jurist Ibn Abdun (d. 1134) offered these telling legal opinions regarding Jews and Christians in Seville around 1100 C.E.: "No…Jew or Christian may be allowed to wear the dress of an aristocrat, nor of a jurist, nor of a wealthy individual; on the contrary they must be detested and avoided. It is forbidden to [greet] them with the [expression], ‘Peace be upon you’. In effect, ‘Satan has gained possession of them, and caused them to forget God’s warning. They are the confederates of Satan’s party; Satan’s confederates will surely be the losers!’ (Qur’an 58:19 [modern Dawood translation]). A distinctive sign must be imposed upon them in order that they may be recognized and this will be for them a form of disgrace."

Ibn Abdun also forbade the selling of scientific books to dhimmis, under the pretext that they translated them and attributed them to their co-religionists and bishops. In fact, plagiarism is difficult to prove since whole Jewish and Christian libraries were looted and destroyed. Another prominent Andalusian jurist, Ibn Hazm of Cordoba (d. 1064), wrote that Allah has established the infidels’ ownership of their property merely to provide booty for Muslims.

In Granada, the Jewish viziers Samuel Ibn Naghrela and his son Joseph, who protected the Jewish community, were both assassinated between 1056 to 1066, followed by the annihilation of the Jewish population by the local Muslims. It is estimated that up to five thousand Jews perished in the pogrom by Muslims that accompanied the 1066 assassination. This figure equals or exceeds the number of Jews reportedly killed by the Crusaders during their pillage of the Rhineland, some thirty years later, at the outset of the First Crusade.

The Granada pogrom was likely to have been incited, in part, by the bitter anti-Jewish ode of Abu Ishaq, a well known Muslim jurist and poet of the times, who wrote: "Put them back where they belong and reduce them to the lowest of the low..turn your eyes to other [Muslim] countries and you will find the Jews there are outcast dogs...Do not consider it a breach of faith to kill them...They have violated our covenant with them so how can you be held guilty against the violators?"

The Muslim Berber Almohads in Spain and North Africa (1130-1232) wreaked enormous destruction on both the Jewish and Christian populations. This devastation- massacre, captivity, and forced conversion- was described by the Jewish chronicler Abraham Ibn Daud, and the poet Abraham Ibn Ezra. Suspicious of the sincerity of the Jewish converts to Islam, Muslim “inquisitors” (i.e., antedating their Christian Spanish counterparts by three centuries) removed the children from such families, placing them in the care of Muslim educators. Maimonides, the renowned philosopher and physician, experienced the Almohad persecutions, and had to flee Cordoba with his entire family in 1148, temporarily residing in Fez — disguised as a Muslim — before finding asylum in Fatimid Egypt.

Indeed, although Maimonides is frequently referred to as a paragon of Jewish achievement facilitated by the enlightened rule of Andalusia, his own words debunk this utopian view of the Islamic treatment of Jews: "..the Arabs have persecuted us severely, and passed baneful and discriminatory legislation against us...Never did a nation molest, degrade, debase, and hate us as much as they.."

A valid summary assessment of interfaith relationships in Muslim Spain, and the contemporary currents responsible for obfuscating that history, can be found in Richard Fletcher's engaging Moorish Spain. Mr. Fletcher offers these sobering, unassailable observations:

"The witness of those who lived through the horrors of the Berber conquest, of the Andalusian fitnah in the early eleventh century, of the Almoravid invasion- to mention only a few disruptive episodes- must give it [i.e., the roseate view of Muslim Spain] the lie. The simple and verifiable historical truth is that Moorish Spain was more often a land of turmoil than it was of tranquility...Tolerance? Ask the Jews of Granada who were massacred in 1066, or the Christians who were deported by the Almoravids to Morocco in 1126 (like the Moriscos five centuries later)…In the second half of the twentieth century a new agent of obfuscation makes its appearance: the guilt of the liberal conscience, which sees the evils of colonialism- assumed rather than demonstrated-foreshadowed in the Christian conquest of al-Andalus and the persecution of the Moriscos (but not, oddly, in the Moorish conquest and colonization). Stir the mix well together and issue it free to credulous academics and media persons throughout the western world. Then pour it generously over the truth…in the cultural conditions that prevail in the west today the past has to be marketed, and to be successfully marketed it has to be attractively packaged. Medieval Spain in a state of nature lacks wide appeal. Self-indulgent fantasies of glamour...do wonders for sharpening up its image. But Moorish Spain was not a tolerant and enlightened society even in its most cultivated epoch."

The socio-political history of Andalusia was characterized by a particularly oppressive dhimmitude that is completely incompatible with modern notions of equality between individuals, regardless of religious faith. At the dawn of the 21st century, we must insist that Muslims in the West adopt post-Enlightenment societal standards of equality, not "tolerance," abandoning forever their hagiography of the brutal, discriminatory standards practiced by the classical Maliki jurists of "enlightened" Andalusia.

*The Noble Qur'an- Three esteemed translations, online:
Sura 005, Verse 033
YUSUF ALI: "The punishment of those who wage war against Allah and His Messenger, and strive with might and main for mischief through the land is: execution, or crucifixion, or the cutting off of hands and feet from opposite sides, or exile from the land: that is their disgrace in this world, and a heavy punishment is theirs in the Hereafter;"
PICKTHAL: "The only reward of those who make war upon Allah and His messenger and strive after corruption in the land will be that they will be killed or crucified, or have their hands and feet on alternate sides cut off, or will be expelled out of the land. Such will be their degradation in the world, and in the Hereafter theirs will be an awful doom;"
SHAKIR: "The punishment of those who wage war against Allah and His messenger and strive to make mischief in the land is only this, that they should be murdered or crucified or their hands and their feet should be cut off on opposite sides or they should be imprisoned; this shall be as a disgrace for them in this world, and in the hereafter they shall have a grievous chastisement
".


Bat Ye'or, www.dhimmitude.org, www.dhimmi.org , is the author most recently of Islam and Dhimmitude: Where Civilizations Collide, and the forthcoming Eurabia.

3 comments:

guilherme said...

No domingo, 18 de abril de 2004, revelando este intercâmbio realizado entre os cessante primeiro-ministro espanhol José Maria Aznar, eo entrevistador Chris Wallace da FoxNews:
Chris Wallace: "No apartamento que foi destruído, polícia encontrou um vídeo no qual os bombardeiros refere à Espanha como Andaluzia, o que era chamado pelos árabes muçulmanos antes que eles foram expulsos em 1492."

Jose Maria Aznar (através do tradutor): "Então isso significa que o Iraque, para eles, era apenas um pretexto. Aos olhos do terrorismo islâmico, ele olha para o Ocidente, ea Espanha é uma parte muito específica desta parcela, pois consideram que a Espanha está a recuperar de volta alguns de seus territórios. "

Mordechai Nisan estudioso islâmico recentemente discutida a discórdia pelo fundador do Instituto de Educação Islâmico, M. Amir Ali, que tinha sido efectivamente Espanha medieval "libertado" por forças muçulmanas, que "deposto seus tiranos". Nisan extrapolou esse ahistorical linha narrativa, e ponderou:

"Refletindo em 11 de março, como o terrorismo muçulmano matou 200 e feriu 1400 em Madri, uma duvida que um dia este caso também não vai ser comemorada como um momento libertador."

Acontecimentos que rodearam a conclusão do novo Granada Mesquita, que foi marcado por anúncios comemorativos de 10 de julho de 2003 de um "... regresso do Islão em Espanha", também foram consistentes com Nisan's musings escuro. Numa conferência intitulada "Islã na Europa", que acompanhou a abertura da mesquita, desconcertantes declarações foram feitas pelos líderes muçulmanos europeus. Especificamente, o orador principal desta conferência, Umar Ibrahim Vadillo, um espanhol líder muçulmano, incentivou os muçulmanos a causar um colapso econômico de economias ocidentais (pelo que deixam de usar moedas ocidentais, e migrando para o ouro dinares), enquanto o alemão líder muçulmano Abu Bakr Rieger disse muçulmano participantes para evitar adapta às suas práticas religiosas islâmicas acomodar Europeia (ou seja, Western Enlightenment?) Valores.

Pouco depois desse evento, um editorialista do Wall Street Journal uma distorção grosseira louvor a Espanha muçulmana, mencionou o "pan-confessional humanismo" do Islã andaluz, e até mesmo afirmou: "pode-se argumentar que o oft-bewailed faltando 'reforma' do Islã estava em curso ali, até que foi abortada pela Inquisição. "

María Rosa Menocal, Yale Professor de Espanhol e Português, em 2002 ela hagiografia da Espanha muçulmana, O Ornamento do Mundo, tem mantido ainda que "o novo governo islâmico não só permitiu judeus e cristãos para sobreviver, mas segue Qur'anic mandato, e protegido por geral eles ".

Acreditamos que estas reiterando ahistorical, róseo alegações sobre cúmplice na Espanha muçulmana contemporânea agenda islamista, e retarda a evolução de um liberal, reformada "Euro-Islam" totalmente compatível com o pós-iluminista valores ocidentais.

Iberia (Espanha), foi na conquistei 710-716 dC por tribos árabes originários do norte, centro e sul da Arábia. Maciça imigração árabe e berbere, e da colonização da península Ibérica, seguido da conquista. A maioria das igrejas foram convertidas em mesquitas. Embora a conquista havia sido planejado e realizado conjuntamente com uma forte facção da Iberian Christian royal dissidentes, incluindo um bispo, trata-avançou como um clássico jihad com maciça pilhagem, escravatura, deportações e assassinatos.

Toledo, que havia apresentado à primeira árabes em 711 ou 712, se revoltaram em 713. A cidade foi castigada pela pilhagem e todos os notáveis tiveram suas gargantas cortadas. Em 730, os Cerdagne (em Septimania, perto de Barcelona) foi um bispo devastado e queimado vivo. Nas regiões sob controle estável islâmicos, judeus e cristãos eram tolerados como dhimmis - tal como noutros locais em outras terras islâmicas - e não poderia construir novas igrejas ou sinagogas, nem restabelecer as antigas. Segregados em bairros especiais, eles tiveram que vestir roupas discriminatório. Submetido a pesados impostos, o campesinato Christian formaram uma classe servil anexado ao domínio árabe, muitos fugiram das suas terras e fugiram para a cidade. Duras represálias com mutilações e crucifixions * iria sancionar o moçarabe (Christian dhimmis) apela para a ajuda dos reis cristãos. Além disso, se um dhimmi prejudicaram uma muçulmana, toda a comunidade perderia o seu estatuto de protecção, deixando aberta a pilhagem, escravização e arbitrária matando.

Até o final do século oitavo, os governantes do Norte de África e da Andaluzia tinha introduzido Malikism, um dos mais rigorosos das escolas islâmicas jurisprudência e, posteriormente, reprimidos do outro muçulmano escolas de direito. Três quartos de século atrás, numa altura em que o politicamente correcto não foi dominando publicação histórica e discurso, Evariste Lévi-provençal, o pré-eminente estudioso da Andaluzia, escreveu: "O muçulmano andaluz estado aparece, assim, mais rapidamente a partir de suas origens como o defensor e um campeão da ortodoxia ciúmes, mais e mais ossificada um cego em relação a uma doutrina rígida, suspeitando e condenando antecipadamente o mínimo esforço racional de especulação. "

O imposto sobre o estatuto humilhante e dhimmis o confisco das suas terras provocou muitas revoltas, punido por massacres, como em Toledo (761, 784-86, 797). Depois de outra Toledan revolta em 806, setecentos habitantes, foram executados. Insurreições eclodiu em Saragoça de 781 a 881, Córdoba (805), Mérida (805-813, 828 e no ano seguinte, e mais tarde em 868), e mais uma vez, em Toledo (811-819); os insurgentes foram crucificados, conforme prescrito no Alcorão 5:33 *.

A revolta em Córdoba de 818 foi esmagado por três dias de massacres e pilhagens, com 300 notáveis crucificado e 20 000 famílias expulsas. Feuding era endêmica nas cidades andaluzas entre os diferentes setores da população: árabe e berbere colonizadores, converte ibérica muçulmana (Muwalladun-Cristãos) e dos dhimmis (Moçárabes). Havia raramente períodos de paz no Amirate de Córdoba (756-912), nem depois.

Al-Andalus, representaram os terrenos da jihad por excelência. Todos os anos, às vezes duas vezes por ano, incursões expedições foram enviadas para destruir o cristão espanhol reinos ao norte, o basco regiões, ou a França e os Rhone vale, trazendo de volta espólio e escravos. Corsários atacado e andaluza invadidos ao longo da costa siciliana e italiano, ainda tão longe como as ilhas do mar Egeu, saques e queima como eles foram. Milhares de pessoas foram deportadas à escravidão, na Andaluzia, onde o legatário manteve uma milícia de dezenas de milhares de cristãos de todas as partes escravos trazidos da Europa cristã (a Saqaliba), e um harém cheio com capturou as mulheres cristãs. Sociedade estava fortemente dividido por linhas étnicas e religiosas, com as tribos árabes no topo da hierarquia, seguido pelos berberes, que nunca foram reconhecidos como iguais, apesar das suas islamização; inferior na escala veio a mullawadun converte e, na parte inferior , O dhimmi cristãos e judeus.

O Ibn andaluza Maliki jurista Abdun (m. 1134) os pareceres jurídicos oferecidas estas dizendo quanto os judeus e os cristãos em Sevilha em torno de 1100 CE: "Não ... judeu ou cristão podem ser autorizadas a usar o vestido de uma aristocrata, nem de um jurista, nem de uma pessoa rica e, ao contrário que detestada e devem ser evitadas. É proibida a [cumprimentar]-los com a [expressão], 'a paz esteja com você ". Com efeito,« Satanás ganhou a posse deles, e os fez esquecer o aviso de Deus. Estes são os confederados de Satanás partido; Satan's confederados serão, sem dúvida, os perdedores! "(Alcorão 58:19 [moderno Dawood tradução]). Um sinal distintivo deve ser-lhes impostas em forma a poderem ser reconhecidos e isso será para eles uma forma de vergonha. "

Ibn Abdun também proibiu a venda de livros científicos para dhimmis, sob o pretexto de serem traduzidas e atribuíram-lhes-los para a sua co-religionists e bispos. De facto, plágio é difícil de provar uma vez que todo e Judeu cristão bibliotecas foram pilhadas e destruídas. Outro proeminente jurista andaluzes, Ibn Hazm de Córdoba (m. 1064), escreveu que Deus criou os infiéis "propriedade dos seus bens se limita a fornecer espólio para os muçulmanos.

Em Granada, o judeu viziers Samuel Ibn Naghrela e seu filho José, que protegia a comunidade judaica, ambos foram assassinados entre 1056 a 1066, seguida pela aniquilação da população judaica local pelos muçulmanos. Estima-se que cerca de cinco mil judeus pereceram no massacre de muçulmanos que acompanhou o assassinato 1066. Este valor igual ou superior ao número de judeus assassinados pelos Cruzados relatadas durante a sua depredação da Renânia, cerca de trinta anos depois, no início da Primeira Cruzada.

Granada foi o massacre que possa ter sido incitado, em parte, pela feroz ode anti-judaica de Abu Ishaq, um conhecido jurista e poeta muçulmano das vezes, quem escreveu: "Ponha-os de volta a que pertencem e reduzi-los para o mais baixa das escalas .. virar os olhos para outros [muçulmanas] países e irá encontrar os judeus, há cães proscrito ... Não considero isso uma violação da fé para matá-los ... Eles têm violado o nosso pacto com eles assim como é que pode ser realizada contra os violadores culpado? "

O muçulmano berbere Almohads em Espanha e África do Norte (1130-1232) enormes destruições causadas tanto sobre as populações cristãs e judaicas. Trata-devastação massacre, escravidão, e forçou-conversão foi descrito pelo cronista judeu Abraham Ibn Daud, o poeta e Abraham Ibn Ezra. Desconfiado da sinceridade do judeu convertido ao Islão, muçulmano "inquisitors" (ou seja, antedating os seus homólogos espanhóis Christian por três séculos) removeu as crianças pertencentes a essas famílias, colocando-as no cuidado de educadores muçulmano. Maimonides, o famoso filósofo e médico, o experiente Almóada perseguições, Cordoba e teve de fugir com sua família inteira em 1148, residem temporariamente em Fez - disfarçado como um muçulmano - antes de encontrar asilo em Fatímidas Egito.

Com efeito, embora Maimonides é frequentemente referido como um modelo ideal de conquista facilitada pelo judeu iluminado regra da Andaluzia, de suas próprias palavras desmerecer esta visão utópica do islâmica tratamento de judeus: ".. os árabes têm-nos duramente perseguida, e passou venenoso e legislação discriminatória contra nós ... Nunca fiz uma nação molestar, degradar, aviltar, e nos odeiam tanto como eles .. "

Um resumo válido avaliação de relações interconfessional em Espanha muçulmana, e as correntes contemporâneas obfuscating responsável por essa história, podem ser encontrados em Richard's Fletcher envolvente mourisca Espanha. Mr. Fletcher oferece estes sóbria, inatacável observações:

"O testemunho de quem viveu os horrores da conquista berbere, do andaluz fitnah no início dos anos décimo primeiro século, da invasão Almoravid-só para citar alguns episódios perturbadores deve dar-lhe [ou seja, a visão cor-de-rosa da Espanha muçulmana ] A mentira. Simples e verificável A verdade histórica é que mourisca Espanha foi mais frequentemente do que uma terra de tumulto foi de tranqüilidade ... Tolerância? Pergunte aos judeus de Granada que foram massacrados em 1066, ou os cristãos que foram deportados pelo Almoravids a Marrocos em 1126 (tal como os Moriscos cinco séculos mais tarde) ... Na segunda metade do século XX, um novo agente de ofuscação faz a sua aparição: a culpa da consciência liberal, que encara os males do colonialismo-assumida, em vez de demonstrar - prenunciado na conquista cristã de al-Andalus e as perseguições dos Moriscos (mas não, curiosamente, na conquista e colonização dos Mouros). Agitar a mistura bem juntos e isso causa a liberdade de crédulos meios académicos e pessoas em todo o mundo ocidental. Então deitá-generosamente sobre a verdade ... na culturais condições que prevalecem no oeste hoje o passado tem de ser comercializado, e para ser comercializada com êxito, tem de ser atraente embalados. medieval Espanha em um estado de natureza carece de grande apelo. A auto-indulgente fantasias de sedução ... fazer maravilhas para afiar a sua imagem. mourisca Espanha Mas não era uma sociedade tolerante e esclarecida ainda cultivada epocal na sua maioria ".

A história sócio-política da Andaluzia foi caracterizado por uma dhimmitude particularmente opressivo que é totalmente incompatível com os modernos conceitos de igualdade entre os indivíduos, independentemente da fé religiosa. Na alvorada do século 21, temos que insistir para que os muçulmanos no Ocidente adoptar normas da sociedade pós-iluminista de igualdade, não a "tolerância", abandonando definitivamente os seus hagiografia dos brutais, discriminatório praticado pelas normas clássicas Maliki juristas de "iluminados" Andaluzia.

* A Noble Alcorão-Três estimáveis traduções, on-line:
Sura 005, Verso 033
YOUSSIF ALI: "O castigo daqueles que declarar guerra contra Deus e Seu Mensageiro, e lutar com os principais e talvez a corrupção na terra é que sejam mortos, ou crucificados, ou do corte de mãos e pés de lados opostos, ou a partir de exílio a terra: essa é a sua vergonha, neste mundo, e uma punição pesada é a deles, na outra; "
PICKTHAL: "O castigo, para aqueles que lutam contra Deus e ao Seu Mensageiro e semeiam a corrupção na terra, é que eles vão ser mortos, ou crucificados, ou terem as mãos e os pés em lados opostos cortadas, ou vai ser expulso out do terreno. Essa será a sua degradação no mundo, e, na outra vida será um severo castigo! "
Shakir: "O castigo daqueles que declarar guerra contra Deus e ao Seu Mensageiro e semeiam a fazer corrupção na terra, é só isso, que eles deveriam ser assassinados ou crucificados ou as mãos e os pés devem ser cortadas em lados opostos ou eles deveriam ser preso; isto é como uma vergonha para eles neste mundo, e, a seguir a estes terão um doloroso castigo "

guilherme said...

Comentários
(Nota: A seção Comentários é prestado no interesse da liberdade de expressão só. Tudo se resume unmoderated, mas comenta que estão off-topic, ofensivo, calunioso ou de qualquer outro chato tem chance de ser eliminado. O fato de que qualquer comentário sobre permanece o site de nenhuma maneira constitui um endosso ou pela Jihad Watch dhimmi Watch, ou pelos Robert Spencer ou qualquer outro Jihad Watch ou dhimmi Watch escritor, de qualquer ponto de vista expressos, fato alegado, ou que o link fornecido no comentário.)

Caturo said...

Obrigado, Guilherme, pela tradução.